moderninha

Sexta-feira. Um final de semana cansativo e um dia ainda por gastar. Hoje havia uma sessão fotográfica e pensei q podia fazer jus ao casual friday. Pus umas calças-de-ganga  e uma t-shirt preta, com o meu colar favorito e os adidas super star com um kimono. Rabo-de-cavalo e, pronta para sair de casa, questiona-me o M, em tom de gozo: deixam-te ir assim tão “moderninha”? Sorri perante o termo carregada de ironia e encolhi os ombros. Era sexta-feira. Que outro dia poderia ser melhor para transgredir todos os códigos de vestuário inerentes à vida num escritório?

O dia passou, entre mil tarefas e a indumentária não recebeu qualquer tipo de comentário, o que fez com q me esquecesse da regra de ouro da consultora de imagem q dera há pouco tempo um workshop na nossa empresa-ténis são de evitar e nunca brancos- e que me levara a concluir que só podia estar fora de moda e a passar ao lado desta tendência do comeback dos 90’s, com os ténis brancos a invadir tudo o q era pé fashionista desta cidade.

Fiz uma pausa para um café. Enquanto olhava, distraída , para o feed do instagram, passou um bando de adolescentes do bairro que fica ao lado do nosso parque de escritórios. Nada a assinalar não fosse terem ficado a olhar para mim. Pareceram desaparecer à esquina mas heis que, segundos passados, uma delas espreita. Achei estranho. Ia jurar que me observavam, mas devo ter feito confusão, pensei. Mais uns segundos, e nova cabeça q espreita à esquina. Agora tenho a certeza que sou objeto de estudo. Não tenho tempo sequer para formular hipóteses. Assoma-se uma nova figura que, desta vez, se dirige a mim e solta um “minha senhora, gosto muito do seu estilo”, corando e fugindo ainda mal as últimas palavras foram pronunciadas . Surpreendida, ainda balbucio um obrigada , que já não é ouvido. E regresso ao escritório. Assim “moderninha”, como saí de casa.