Os meus óculos de sol

Acordamos de manhã, depois de uma noite mal dormida. O sol que teima em entrar pela janela, antes da hora, aquecendo-nos o corpo ainda dormente no lençol. O duche em velocidade record. O pequeno-almoço que não se toma e o cabelo que mal se seca. As olheiras a acusarem o tempo em que não as descansámos. O carro à nossa espera para navegar o trânsito da autoestrada que nem com as férias desaparece. E nós a sentirmo-nos pequenas, perante o quotidiano avassalador. Suspiramos, como a querer ganhar forças para tudo o que aí vem. Até que, de repente, levamos a mão ao caos a que chamamos mala e eles aí estão. Uma pequena embalagem capaz de dar a volta a tudo isto. Rapidamente, ajeitamos as hastes na ponta do nariz. E tudo muda. Subitamente, somos super heroínas, com uma identidade secreta e o mundo ganha as cores de um filtro do instagram. Não importa que buzinem. Que nos tenhamos esquecido do telefone em casa e que não haja tempo para um café antes da reunião à primeira hora da manhã. Temos os nossos óculos de sol. E, por trás deles, fica todo um mundo só nosso que ninguém consegue invadir…