Até onde…

se deve ir para defender uma ideia? Desde sempre, a Andorinha foi apelidada de teimosa, traço q n nega ser uma característica do seu carácter. Penso que devo defender os meus ideais sempre que neles acredite. E faço-o apaixonadamente. A questão é: onde traçar o limite? Quando baixar os braços e desistir do que pensamos ser o caminho a seguir? Será melhor mudar a rota, mesmo sabendo que nos afasta da meta, ou prosseguir, sob pena de ser uma estrada mais solitária e com alguns percalços acoplados? Será que a faixa certa é mesmo a mais concorrida ou que às xs vale a pena seguir pela da direita, mm sabendo que toda a gente prefere a do meio?

6 thoughts on “Até onde…

  1. Acho que devemos defender os nossos ideais até ao fim. Desde que não dês por ti numa auto-estrada a pensar “mas porque é que vão todos em contra-mão, que perigo!”, estás bem dentro do limite tolerável😉

  2. as vezes sou vencido pelo cansaço, devo confessar… mas a virtude está mesmo em levarmos as nossas ideias até ao fim ; )

  3. Nem sempre. Por vezes, a insistência só revela teimosia, vista curta, incapacidade de ouvir os outros e inflexibilidade intelectual. Por outro lado, por vezes é mais inteligente ceder para colher ganhos um pouco mais à frente. Em nada se deve ser taxativo. Só no benfiquismo.

Os comentários estão fechados.