All by themselves

Ontem, ao ver mais um (pronto, admito, Vários) episódio de “Grey’s Anatomy” constatei algo que já há muito desconfiava. Já repararam que a maioria das personagens das séries são solitários? Ou melhor, não são bem solitários, mas são pessoas de poucos amigos. A maioria das xs, o seu círculo restringe-se ao melhor amigo, o casal vizinho, família ou colegas. E não passa daí. É assim no Seinfeld, no Everwood, no Grey’s, no Sex and The City, no Raymond e muitas outras. Não saem daquele pequeno núcleo que dá vida ao ecrã, semana após semana. Dão-se SMP com as mesmas pessoas, parecendo que tudo até ao início da história não passara de tábua rasa. Será que têm todos problemas familiares? Que eram os patinhos feios do liceu? Que passaram a faculdade enfiados nos livros, sem tempo para socializar no bar? Que eram filhos de diplomatas ou caixeiros-viajantes e por isso mudavam frequentemente de cidade?  

Não sou ingénua ao ponto de pensar que todaa gente no mundo vive rodeada de amigos, mas tb me recuso a acreditar que a maioria seja assim TÃO sozinha. Há sempre alguém em todas as vidas….a não ser que estejam, tb elas,   à espera do episódio piloto que as vai fazer começar.

9 thoughts on “All by themselves

  1. Eu tbm vejo essas séries, e revejo-me dezenas de vezes nalgumas personagens e tal como elas tbm habitualmente não estou rodeada assim de tantos amigos, dois casais, dois ou três amigos solteiros, os pais e sogros, os irmãos….

    Com o passar dos anos a catrafada de “amigos” e conhecidos que me acompanhou ao longo da vida foi-se diluindo por inúmeras razões e uma delas com certeza que é a nossa necessidade de estarmos rodeados de pessoas que sejam a nossa verdadeira família, uma família escolhida por nós.

    Claro está, que à sempre aquelas pessoas com que esporadicamente se está, com quem se convive com quem nos divertimos mas que ao final na noite cada um vai para o seu lado… no strings attached…

    Se calhar se me tivessem dito isto aos 18 anos eu não acreditava, iria dizer que é tão bom estarmos rodeados de dezenas de amigos, sempre em festa a conviver.

  2. Olá Anne. Concordo que, à medida que o tempo passa, o número de pessoas que gravita em torno de nós decresce. Assim mesmo, o que contesto e me faz confusão n é o facto de estarem sozinhos em determinados momentos, mas sim o de terem a vida vazia de gente até àquele momento.

  3. Eu cá sou mais prática – sabes qto custa um figurante?? Agora imagina o que é pores os actores a combinar cafés e cinemas a toda a hora, com pessoas que não sejam do cast!!😉
    É tudo uma questão de dinheiro :P!!

  4. Acho que é uma pena, mas se olhares à tua volta se calhar percebes que não é assim tão diferente da realidade. A maior parte das pessoas tem um grupo de amigos restricto com que se relaciona frequentemente e muitos ocasionais esporádicos. E isto é tanto mais verdade quanto mais avanças no tempo e te casas…

  5. hhhmmmm…isso tem mais a ver com euros. Imagina quanto custaria á produção contratar actores para retratar um mundo real?😉

Os comentários estão fechados.