Friday night Fever:

Sexta.Final de tarde. Corrida contra o relógio para sair a horas. Ver os ponteiros a andar para a frente e a vida a andar para trás. Perceber que cabeleireiro, nem vê-lo. Telefonar para o meu amigo gay espanholeco para avisar q a Miss Marques tinha um imprevisto e que ia ter que se contentar com esta trunfa a la Romana meets Branca de Neve. Sair às 7.30 pm . Avisar a Bleg de que talvez n chegasse a horas.Meter-me num táxi carregada de presentes- houve almocito de Navidad e a Cat J e a Miss Botõezinhos foram MUCHO generosas e ainda recebi o meu presente da amiga secreta da agência antecipadamente- e perceber que o trânsito estava o caos. Chegar a casa meia-hora mais tarde e bater novos recordes pessoais de transformação de gata borralheira em Cinderela em apenas 45 min. Pegar em tudo o que era presentucho Jordão para ver se n deixava nada para trás.Rumar ao Bairro às 9 em ponto. Apanhar a Inês com a Pulguita e Lé Maria para, depois de mais de meia-hora numa fila no Parque do Carmo, chegarmos ao italiano-ao-lado-do-Duques, onde TODO o jantar Jordão já esperava por nós. A coisa desenrolou-se assim:

-em grande estrilho, dei logo barraca à chegada ao dar uma sapa valente ao namordado da Trigosa q eu pensava ser o Miguelu. Para quem n sabe, eu só o vi duas xs na vida, mas n me dei por achada, fiz fe fe fe e continuei a beijocar toda a gente como se aquilo fosse completamente normal.

– a espera ansiosa por dar o presente Jordão, enqto q a Valentíssima quase me ia trucidando por achar q o ia oferecer sem ela

– o jantar-q-nunca-mais -chegava e q descobrimos que n podíamos escolher. O Massimo (o italiano dono daquele belo estabelecimento) n percebia patavina do que dizíamos e toma lá com o pratinho com dois pedacinhos de massa e já vais com sorte

-o desespero do Ricardo, a tentar descobrir de que era feita a pasta da entrada, para mais tarde descobrir que continha n um, mas TRÊS tipos de carne, o q só pode ser o pesadelo de qq vegetariano

-o desgosto da João ao constatar que a massa, além de pouca, estava completamente FRIA e a desenvoltura do empregado que empilhou os três pratos com a comida que pedimos para aquecer e que voltou, passado pouco tempo, já quente é certo, mas demasiado rapidamente para n desconfiarmos que era a mma

-a sobremesa, q, supostamente, era tiramisu com mousse de chocolate mas q n passava de um primo afastado do dito e de uma substância branca n identificável.Mais uma x, o ar frustrado do empregado enqto a João a mandava para trás, já resignada com o facto de q n ia jantar enqto invejava a minha cerveja pq”pelo menos tinha gás e enchia o estômago”

-a Trigosa sempre atenta ao copo Jordão q n mais esteve vazio naquela noite, o q fez com que fosse baptizada pela ppa da aniversariante com o carinhoso petit nom de “estúpida”;)

-o jogo da moeda improvisado, no qual caí todas as xs na regra do “n podes aceitar nada em mão”, até q a Carmo-do-Céu fez de meu anjo da guarda e me salvou das garras do Pio

-a Xu, regressada do seu tête-a-tête com Vítor de Sousa e Simone de Oliveira, com quem esteve a beber shots na porta ao lado

-a nossa conversa com o “Gay Mau”, dono do Duques e amigo do Massimo, tentando alertá-lo para o facto do serviço ser pavoroso e ser uma pena pq o dono do restô até era simpático

-a escalada interminável até ao Bairro Alto e a minha admiração pela coragem da Priminês, que se equilibrava nuns daqueles saltos que se enfiam em tdo o q é santa pedrinha desta calçada

-os milhões de fotografias no Bairro Alto, tudo ao molho e fé em Deus

-as declarações de amizade e os cantos natalícios:)

– a ida para a Kapital e a constatação de que n havia táxis.Com medo de que se fosse repetir o episódio Halloween, em que nos fartámos de andar kms, a Xu decide pedir boleia a uns “amigos” do tunning q iam por ali a passar. N os conhecíamos de lado nenhum mas o Paulo, o Ricardo e o Whatever já eram como se fossem conhecidos de longa data.Tanto q até decidimos dar bitaites sobre o que iam a ouvir. A conversa foi mais ou menos deste modo:

S-estão a ouvir Mind da Gap? Ponham a dedicatória!é a minha favorita!

X-lá está esta com a mania q percebe

J-(risos, encolhida ao pé do Ricardo.Ou seria o Paulo?)

S-cantando a dedicatória…

(mudam para Sam The KId)

S-Põe a de Chelas….cheeeeelassssss!

E vamos todos alegramente a cantarolar “N percebes o q eu digo/n percebes o q eu falo….” n sem a Xu lhes dizer q só iam para o Plateau pq”n entravam na K como nós”:P

-Já na K, destacam-se os brindes Jordão e Zé Lipo, com copo partido e Rita a afiançar q n tinha vidros e q podia beber à confiança pq o q interessava era mm n desperdiçar bebida.

Contas feitas, n sei bem como chegámos à madrugada, mas valeu a pena:) Parabéns Jordan Maria!!!:)))

6 thoughts on “Friday night Fever:

  1. Mas k gd noite foi esta,xeguei a casa trebado mas feliz,por ver k a mh tia krida tinha dinheiro pa ir pa casa😉 so voces pa apanharem boleia de estranhos e ainda pedires pa mudarem de musica

Os comentários estão fechados.