Sobre o Halloween…

Esta 3ª-fª foi, definitivamente uma noite diferente das outras, a indicar que “que las hay, las hay”. Ora vejamos:

23h30- a coisa começa bem. Com a sua sorte habitual o Mr. M. arranja um lugar em 10 minutos, apesar da quantidade de gente a tentar estacionar. Decidimos- eu, Mr.M e Inês- tomar café no Saint Germain para descobrir, chocados, que o preço “lounge” (ou seja, a partir das 9 PM) aumenta 1 €, cobrando-nos 300$ por uma simples bica! Estamos na Place Vendôme ou q?

24h00- rendez-vous com Torre Iberius no Já Disse, onde já estão todos confortavelmente instalados a jogar à moeda, poijatão! Inês e Bitty Maria são iniciadas neste ritual, sendo a 1ª bafejada pela sorte de principiante, a outra nem tanto;) Depois de vermos a falta de talento revelada pela Bitty e Mr.M, eu e Rakelu percebemos que estamos a fazer escola nesta arte de falhar redondamente na chávena. Entre fotografias- que, infelizmente, desapareceram por milagre do meu tel.-e muito “você” para trás e para diante, descobrimos que:

-a rakelu estava cheia de sede e toca de acertar no copo salgada, q é para beber tudo até ao fim

-afinal a inês estava enganada e a regra de nos tratarmos por você tem que se lhe diga, provocando uma imediata alteração de sotaque

– eu sou igual ao jardel e me refiro a mim na 3ª pessoa

– n se vai (ohhh, desilusão) poder jogar à moeda na mansão jordão mas a salgadó faz questão de ter a marca dos nossos lances esforçados na madeira da sua sala de jantar

-ter duas bebidas na mesa faz com que as atenções se concentrem demasiado na nossa pessoa

Quando o calor começou a ser exagerado-e depois de eu ter assistido a uma cena de (quase) sexo explícito entre uma bruxa e um vampiro e ter partilhado a minha indignação com uma septuagenária que, vá-se lá saber pq, tb aguardava a sua x na fila para a casa-de-banho do bar- decidimos ir dar um giro. Mal sabíamos onde nos estávamos a meter! De repente, o bairro tinha enchido e TODA a gente andava na rua, como se n houvesse amanhã.

02h00– acotovelando-nos numa das esquinas menos movimentadas se é que isso era possível somos apelidadas de “cara de portuguesas chapadas”, seja lá isso o que for.

02h10- aparece o primeiro fã Gaspar (na altura ainda pensámos que fosse 1 caso isolado)

02h20-os fãs Gaspar sucedem-se, abrindo caminho por entre os adeptos do Celtic, para uma oportunidade de 5 dedos de conversa com a sua “ídola”, aos gritos de “curto circuito, curto circuito”.

03h00- rakelu, xu e Mr.M são os primeiros a debandar e nós começamos a pensar q, ah e tal, como está muita gente, talvez fosse boa ideia ir andando-

03h20- ainda estamos EXACTAMENTE no mesmo sítio

03h30-começamos, finalmente, a dirigir-nos aos táxis, parando tantas xs como encontros com amigos e fãs Gaspar. Ao chegar ao Largo de Camões achámos que a fila era “grandota” mas decidimos trepar até ao Largo do Cauteleiro na (santa) inocência de achar q “íamos apanhar táxi num instantinho”. Nd mais falso! Lisboa tinha, decididamente, saído à rua (pareciam uns Santos Populares fora de época, em versão trajes negros, chapéus de bico e chapéus-de-chuva ao invés de manjericos) e estava a pé! A primeira metade conseguiu táxi relativamente rápido enquanto as restantes três se desfaziam em esforços para desencantar um q n vinha. Qdo ligámos para a rádiotáxis e a telefonista nos disse 4 x seguidas “q a coisa estava complicada” percebemos q o melhor era pormos pés a caminho. O q inicialmente era um “vamos andando”, transformou-se num belo passeio até ao Cais do Sodré (o que me fez agradecer mentalmente a mim mma o facto de ter optado por umas confortáveis botas em x dos sapatos com saltos vertiginosos que tinha pensado calçar).

04h00- finalmente temos o nosso rabinho sentado num táxi a caminho do Lux. Temos uma “agradável” conversa com 1 taxista russo q insistia ser de Moçambique embora fosse ainda mais branco que eu, falasse com sotaque de Padrinho do Leste e tivesse uma filha chamada Tatiana:P Lá nos deixou à porta do Lúxio, n sem antes nos dizer q nos íamos arrepender e que “dali a um instantinho” estávamos a ir embora. Ao ver a fila, percebemos pq…aquilo n estava à pinha, era 1 centro de natal coroado delas! A fila ia até à Bica do Sapato.

04h10-como, felizmente, ainda conservamos a nossa sanidade mental, decidimos n esperar. Sim, pq nem com tda a sorte do mundo éramos capazes de chegar a tempo da última rodada! Depois de uma breve discussão sobre o-q-poderia-n-estar-a-abarrotar, optámos pela Kapital.

04h13-Nova corrida, nova viagem, desta x tivemos sorte: só uns minutos para conseguir um táxi.

04h20-porta da Kapital. Seria??? Tivemos as nossas dúvidas qdo vimos a fauna q se amontoava à porta e a música q saía lá de dentro. Eu acho q n nos vão chamar. A Inês está quase segura q “ainda n nos viram”, embora estejamos quase em cima do nariz do ricardo e partnaires. A Tânia quer fugir. A Jordan teoriza com o facto de termos deixado de ser habitués e “de certeza q eles se lembram q costumávamos cá vir e agora nos estão a castigar”.O JM tem fome. Eu chamo a atenção para o look inenarrável das poucas pessoas q atravessam o cordão. A Inês ainda tem esperanças. Ultimato: mais 5 minutos. Contagem decrescente e acabamos por sair dali.

04h29- Jordan, Inês e JM rumam a casa como pessoas sábias que são. Eu e a Miss Gaspar armamo-nos em gulosas e decidimos ir até às pizzas. Mais uma fila. Mais gente. Desesperamos e vamos em busca de um táxi.

04h40-nada de táxi.

04h50- mudamos de spot. Nenhum táxi vazio no nosso raio de visão.

05h00-mudamos novamente. No táxi. Bitty Maria decide q “se ficarmos no mm sítio ele aparece”

05h10-Onde andarão o raio dos táxis? Percebemos q a teoria afinal n resulta e vamos até às janelas verdes.

05h15-e o táxi q continua sem aparecer. O desespero, há muito instalado, leva a melhor. Telefono ao Mr.M. q tem o azar de morar ali mm ao lado e peço que nos salve. Sem um resmungo, veste-se, sai da cama e leva-nos, at last, a casa!

05h30-aterro na minha cama e juro a mim mma q NUNCA MAIS quero ouvir falar no Halloween!

7 thoughts on “Sobre o Halloween…

  1. Que final de noite, senhoreeeeeeeeees!
    E começou tão bem :)))))) !!

    Qto ao pax – um santo!! Ainda deve estar para nascer (pelo menos na minha vida!!) o homem que faria isso por mim… Isso é a verdadeira prova de amor!! The one and only, the ultimate – tudoooo!

  2. je je je…a tânia já juro escravidão PARA SEMPRE!!! ( e fica aqui registado para o caso de comermos muito queijo). Eu fiquei mais em dívida do que com o banco!:P

  3. Adorei a cena do taxista russo que dizia que era de Moçambique…o homem era louco de certeza ou então achava mesmo que tinhamos caras de otárias.
    Adorei a iniciação ao jogo da moeda e tive pena da rakelu, é um nojo ter que beber aquilo… E achei linda a regra do você, finalmente senti-me tratada como mereço:P Pareciamos uns possidónios, as outras mesas deviam estar a achar um bocadinho estranho todos tão queques com o você mas a fazer aquele alarido, não dava a bota com a perdigota!
    Agora o Mr M é um santo, devias acender-lhe uma vela!
    Acho é que a noite poderia ter sido mais gira se não fossem as filas e multidões, de facto estava impossível!

  4. MAIS???? como é que é possível?!? Ainda n estava em preço lounge.

    Inês, onde quer q estejamos, os nossos decibéis são SMP os mais altos!:P

  5. comento tarde mas comento😛 E eu k tava a ver k ia fikar nakela fila do lux, td bem k a disco é boa mas akela fila nao lembra a ninguem, sera k akela malta td nao th familia na terrinha pa visitar? Mas valeu a pena pelo convivio km varios taxistas ne rituxa?

Os comentários estão fechados.